TRADIÇÃO: A IDADE DA PERFEIÇÃO

0
41

 A Idade da Perfeição

 A cultura japonesa e a cultura chinesa têm doze signos, sendo que cada signo corresponde a um período de um ano, sendo que a evolução do homem é dividida em sete ciclos de transformações: 12 anos, 24, 36, 48, 60, 72 e 84 para as comemorações das festividades, considera-se o período embrionário e mais cem dias após o nascimento. Por exemplo, ao completar 60 anos comemoramos o “kanreki” de 61 anos, assim dizemos “mam” 60 anos ou “kazoe” 61 anos.

 Em Okinawa é comemorado mais dois aniversários especiais: de 88 anos “tokati” e de 97 anos “kajimaya”, por ultrapassarem os sete ciclos da vida, são consideradas idades iluminadas.

Shinji Yonamine Tookati ou Beiju “Missão Cumprida”

 Como reconhecimento social e familiar em Okinawa, o momento de maior expectativa entre os ojis (vovôs) e obas (vovós) é a comemoração dos 88 anos, indiferente a data de nascimento, é comemorado no dia 08 de agosto, muitos idosos debilitados pela idade, chegam a se revigorar e participar com grande alegria da festa, a ponto de dançar o katchasi (uma dança muito animada que culmina o final de qualquer festa, com a participação dos convidados).

 O “tookati” é considerado “missão cumprida”, pois é um estágio intermediário entre 85 e 97 anos, para o aniversariante é a consagração de toda a realização de sua vida. Nesta data o aniversariante se veste com kimono especial para a ocasião.

 Kajimayá “O momento iluminado do ser humano”

 Para representar este momento temos, o cata-vento como símbolo que representa o “círculo da vida”, a volta a origem, espírito iluminado tanto quanto o de uma criança. É comemorado no dia 07 de setembro.

 O “kajimaya” é a comemoração do aniversário de 97 anos, na língua de Okinawa também tem o significado de encruzilhada, este é o momento em que duas linhas contínuas se cruzam formando o ponto zero, as pessoas nesta idade tem sob o seu manto protetor quatro gerações de descendentes: filhos, netos, bisnetos e tataranetos, o aniversariante é considerado o “iluminado”, pois é o único integrante da família que faz a relação física com os descendentes e a espiritual com os seus ancestrais.

 A celebração é realizada com o aniversariante desfilando em posição de destaque em carro aberto, para que as pessoas possam se aproximar e receber a sua benção, formando uma carreata pelas alamedas cruzando e parando festivamente em sete encruzilhadas, onde grupos de sanshin (viola de Okinawa) tocam músicas alegres, para as pessoas dançarem junto com o aniversariante e receber de lembrança o cata-vento, além das crianças até mesmo os políticos e autoridades se fazem presentes, para esta ocasião especial.

 As sete encruzilhadas representam os sete ciclos da vida, também se considerarmos que esta pessoa ao longo de sua vida teve relacionamento de sete gerações, ela por si só tem o potencial de representar as 127 pessoas integrantes deste universo familiar.

 Acreditar na vida é acreditar na existência da família e ter a certeza da nossa relação com a comunidade que nos envolve, esta pessoa iluminada ao falecer, sua veste será de cor branca pela pureza da sua alma, e o luto será desconsiderado.