O coronavírus e os veículos de comunicação – XXI

O coronavírus e os veículos de comunicação – XXI

Coronavírus aumentou desigualdade de gênero nas redações, diz FIJ

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) fez uma pesquisa sobre as condições de trabalho de mulheres jornalistas em meio à pandemia. Os resultados indicam que mais da metade das entrevistadas não consegue conciliar vida profissional e pessoal (62%); também quase metade teve consequências severas em suas responsabilidades profissionais (46%); e cerca de 27% tiveram alterações no salário.

A FIJ entrevistou 558 mulheres jornalistas, em 52 países, de 19 a 30 de junho. Os dados revelam também que aproximadamente 75% das participantes declararam aumento de estresse por causa de múltiplas tarefas; quase 70% afirmaram que os níveis de assédio e intimidação não mudaram durante a pandemia; mais da metade teve a saúde mental afetada e problemas com insônia; e apenas quatro de cada dez receberam equipamento de proteção de suas empresas.

As entrevistadas enumeraram alguns motivos para o aumento de estresse: trabalho em isolamento, assédio dos chefes, cuidado da família e da educação domiciliar, tensões domésticas, aumento da carga de trabalho e habituais ajustes de prazo, longas jornadas de trabalho, impacto psicológico da cobertura da Covid-19 e temor de perder o emprego. Em geral, elas concordam que a melhor forma de resolver a desigualdade de gênero é promover mais financiamento, melhores salários e mais oportunidades de ascensão profissional.

Maria Angeles Samperio, presidente do Conselho de Gênero da FIJ, declarou que “os meios de comunicação e os sindicatos devem fazer muito mais para abordar as desigualdades de gênero e ter em conta a conciliação da vida laboral e privada nestes tempos turbulentos. Devem escutar os pedidos das mulheres que têm sido profundamente afetadas pelo estresse durante a Covid-19 e responder a elas. É hora de estabelecer políticas adequadas de teletrabalho, garantir o apoio às mulheres em suas tarefas familiares e proporcionar-lhes um trabalho decente e com igualdade de remuneração”.

Jornalistas contam as dificuldades de produzir imagens durante a pandemia

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) entrevistou cinco jornalistas de Rio de Janeiro, Manaus e São Paulo sobre a captura de imagens durante a pandemia, algo que mexeu com ética, segurança e conduta dos fotojornalistas. Os profissionais precisam ter disciplina rígida para evitar contaminação, e, ao mesmo tempo, respeitar a privacidade e direitos dos pacientes atingidos pela Covid-19.

Os entrevistados foram Mauro Pimentel, fotógrafo da Agência France-Presse; Alexandro Pereira, cinegrafista da Rede Amazônica, afiliada da Rede Globo; Matheus Guimarães, fotógrafo e cinegrafista do portal Voz das Comunidades, Naná Prudêncio, fundadora da Zalika Produções; e Eduardo Anizelli, fotógrafo da Folhapress.

Eles falaram sobre fotos tiradas em hospitais de campanha, UTIs, agentes desinfectando vias, ruas vazias, aglomerações, vidas e mortes. Como se arriscaram para levar informações sobre a pandemia e mostrar a situação da doença em lugares de pouca visibilidade, destacam a necessidade de avaliar muito bem a pauta, priorizando a saúde e seguindo as recomendações de higiene; além de analisar a relevância e o respeito às fontes, pois, ao mesmo tempo em que é importante que as pessoas saibam o que está acontecendo na região onde moram, é preciso respeitar o luto e a privacidade das vítimas e familiares, e sempre pedir autorização para divulgação.

Confira a reportagem na íntegra.

Auxílio emergencial do Google ajudou cerca de 5.600 veículos no mundo

O Fundo de Auxílio Emergencial ao Jornalismo, organizado pela Google News Iniciative, já ajudou cerca de 5.600 veículos de notícias ao redor do globo. Foram direcionados US$ 39,5 milhões em recursos para pequenas e médias empresas em 115 países.

A iniciativa visa a ajudar publicações e sites de notícias que enfrentam dificuldades financeiras por causa da crise econômica agravada pela pandemia. Após o anúncio do Fundo, o Google recebeu mais de 12 mil solicitações. Quase 60% dos beneficiários são veículos impressos e digitais.

O projeto permitiu que o Google identificasse determinadas tendências no jornalismo local pelo mundo. No que se refere à publicidade, metade dos veículos que receberam recursos do fundo disse ser totalmente dependente de anúncios. Outros dados relevantes são que 30% operam com alguma forma de paywall e 18% dependem de contribuições de associações locais para trabalhar. Além disso, cerca de 20% dos responsáveis pelas publicações priorizam mudanças culturais que incluam diversidade, equidade e inclusão nas redações.

Leia o artigo do Google na íntegra, assinado por Ludovic Blecher, head de inovação na Google News Initiative.

E mais…

O Observatório da Ética Jornalística (objETHOS) lançou o Guia de Cobertura Ética da Covid-19. Diferente de outros materiais em circulação, é um guia inédito porque se concentra em questões éticas, ainda mais sensíveis e delicadas neste momento. Produzido pela equipe do objETHOS, foi especialmente planejado para estar à mão – por isso, pode ser baixado no celular. Confira!

O canal Um Brasil, plataforma multimídia da FecomercioSP, entrevistou o jornalista e escritor chileno César Jiménez, professor doutor de comunicação e mídia na Cardiff University School, em Londres. Em conversa com Daniel Buarque, Jiménez falou sobre a crise global causada pelo coronavírus, como a Covid-19 deixou de ser um problema local da China para se tornar um problema mundial, a imagem do Brasil na imprensa internacional, como a pandemia altera o posicionamento da população chilena em protestos de rua, como ficarão as relações dos países pós-pandemia, o nacionalismo e a globalização, entre outros. Assista à entrevista aqui.

A Fundação Merck anunciou o Prêmio Fique em Casa, voltado a jornalistas da América Latina, que valoriza trabalhos que informem e aumentem a conscientização sobre como se manter seguro e saudável mental e fisicamente durante a pandemia. O melhor trabalho receberá US$ 1 mil. As inscrições vão até 31 de agosto.

O prêmio tem quatro categorias: Multimídia, Impresso, Online e Rádio. Mais de um vencedor será escolhido em cada categoria. Para inscrever-se, é preciso enviar o trabalho para o e-mail [email protected], contendo dados pessoais do candidato, nome, gênero, país, tipo de mídia, endereço de e-mail e número do celular.

A Aberje e a TV Cultura promovem nesta quinta-feira (30/7), das 16h às 17h30, mais uma edição do Lab de Comunicação para Mobilidade. Virtual, discutirá como está a comunicação sobre a mobilidade urbana durante a pandemia, abordando desafios e propostas para o presente e futuro próximo. Participarão do debate Nelson Silveira, diretor de Comunicação da GM Mercosul, Leão Serva, curador do Lab e diretor de Jornalismo da TV Cultura, e Hamilton dos Santos, diretor-geral da Aberje. As inscrições são gratuitas, mas com vagas limitadas.



Fonte: Portal dos Jornalistas

Deixe uma resposta